DECLARAÇÃO DE SAUDADE

- João Alfredo Telles Melo -


Passados quase dois meses dessa experiência tão estranha quanto doída e radical que é o isolamento social, tenho me sentido meio sentimental nos últimos dias e, dentre tantas sensações e sentimentos que me tomam, um tem me atravessado com muita força, especialmente: a saudade.


É uma saudade de tudo! De lugares, de passeios, viagens, manifestações, jogos, reuniões, mas, acima de tudo, de encontros. E de pessoas. Fundamentalmente, de pessoas! Desde as mais próximas às mais distantes. Saudade dos abraços. Cada vez que abro o Facebook e me deparo com a postagem de alguém que perdeu um ente querido, queria era abraçar não só virtual, mas, pessoalmente, ombro a ombro, peito a peito. Ou quando um amigo(a) vence a COVID, queria mesmo era poder comemorar com uma cerveja nos bares da vida. Saudade do Serpentina, da música, do(a)s amigo(a)s, dos encontros. Dos encontros. Como me fazem falta! Por isso, esta declaração. Uma declaração de SAUDADE. Uma declaração de AMOR-AMIZADE. De IRMANDADE.


Por isso, tomo emprestados os belos versos de Atahualpa Yupanqui, em “Los Hermanos”, que teve belíssimas interpretações de Mercedes Sosa e Elis Regina, para esta minha declaração. Pois, quero dizer que tenho muitos amigos, tantos irmãos, que eu mesmo não consigo contar. Cada qual com seus trabalhos, com seus sonhos, cada qual. Com esperança na frente e suas memórias atrás. Gente de mãos quentes, por isso, essa amizade. Com um choro pra chorar e uma oração para rezar. Com um horizonte aberto, que está sempre mais além, mas, com força para buscá-lo, com tezão e com vontade, pois, quando parece mais perto, é que se distancia mais. E assim seguimos andando, curtidos de solidão. E se nos perdemos pelo mundo, voltaremos a nos encontrar.


Voltaremos a nos encontrar, sim! Para chorarmos juntos nossas perdas, para celebramos juntos a vida, nossas vidas e nossa amizade, a solidariedade e a esperança, que nunca haveremos de perder. E celebraremos nossa vitória sobre a morte, a desumanidade e a desesperança, junto com essa nossa irmã muito formosa, que se chama LIBERDADE. Venceremos!


Abaixo a belíssima interpretação de Mercedes Sosa e a letra da canção em espanhol pode ser acessada aqui.



João Alfredo Telles Melo é Advogado, professor universitário, presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB/CE, ex-parlamentar e é sócio da APRODAB e do IBAP.


178 visualizações

Revista PUB - Diálogos Interdisciplinares

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W