top of page

A reflexão necessária para o dia do trabalhador em 2022

Atualizado: 5 de dez. de 2023

-LUCAS SOUTO BOLZAN-


O Brasil passa por uma crise de identidade em todas as esferas. A população brasileira sofre e sente isso. Nunca vivemos um momento tão complicado ideologicamente, onde as pessoas não se toleram. Recentemente vi um meme na internet em que a filha (filmando escondida e brincando) dizia ao pai que estava namorando um “liberal” e o pai, de forma ríspida retrucou: “Como você pode ficar com um bolsonarista?”. Em sentido contrário (Lula, esquerda, etc.) deve ocorrer o mesmo fato, em família diversa. Enfim, vivemos opostos tão raivosos que nem namorar entre si é possível. Com o direito do trabalho, passa-se o mesmo.


Li alguma vez em um livro de direito do trabalho, a seguinte história: imagine eu, de forma hipotética, entrando em uma loja de conveniência de qualquer posto de gasolina e lá pegar seis cervejas e sair pela porta sem pagá-las. Provavelmente alguém sairia atrás de mim e gritaria algo como “pega ladrão”, sem contar as outras possíveis repercussões de natureza física contra a minha pessoa. Agora, caso o dono do posto de gasolina não pague o feriado trabalhado de algum trabalhador (que tem um custo menor do que seis cervejas, creio eu) haveria tamanha resistência? Certo que não. O brasileiro não dá mais atenção aos seus direitos de forma geral, tampouco aos trabalhistas.


O dia do trabalho não vai ser comemorado. Estamos vivendo em um profundo abismo social e ético que corrobora a criação de um ideário imaginário popular de que ser “empreendedor de si mesmo” ou figuras afins é bom e saudável. As pessoas não sabem que o que defendem é exatamente o que as coloca em condições sociais cada vez piores. A disputa entre o capital e do trabalho nunca esteve tão desbalanceada. Vivemos em um mundo de incertezas e ignorância.



Desejo que em 2022 o dia do trabalho seja de reflexão, afinal é ano eleitoral. Não podemos mais continuar com o crescente número de desempregados (acima de 13%), tampouco com a aceitação natural de condutas cada vez mais degradantes aos trabalhadores. E aqui o discurso não é protetivo, visto que é no equilíbrio entre as forças (capital e trabalho) que o benefício é geral. Os empregadores sofrem com o aumento exponencial da desigualdade social, afinal, não tem mais clientes para suas mercadorias. Uma classe trabalhadora com direitos e dignamente remunerada resolve boa parte do problema econômico. Não necessita ser um gênio para compreender que quanto mais pessoas tiverem o mínimo de condições de ter uma vida com alguma estabilidade financeira, é melhor para o país em geral (inclusive para os super ricos).


O direito do trabalho é instrumento de transformação social e um regulador do nosso modelo de sociedade. A nossa Constituição consagrou o valor social do trabalho e a preservação da dignidade humana com a ideia de produzir justiça social dentro de uma sociedade capitalista – é isso que devemos buscar.

 

Lucas Souto Bolzan - Advogado. Doutorando em Direito Econômico na UFRGS. Professor de Direito e Processo do Trabalho na UNICNEC-RS e associado do IBAP


664 visualizações9 comentários

9 Comments


patricianbianchi
patricianbianchi
May 02, 2022

Sim "As pessoas não sabem que o que defendem é exatamente o que as coloca em condições sociais cada vez piores. A disputa entre o capital e do trabalho nunca esteve tão desbalanceada. Vivemos em um mundo de incertezas e ignorância." A sensação é de retrocesso. Contínuo...

Like

Ricardo Antônio Lucas Camargo
Ricardo Antônio Lucas Camargo
May 02, 2022

Excelente texto, em que se mostra, efetivamente, o quanto ainda se pensa, no Brasil, o trabalhador como ferramenta animada, que deveria agradecer por lhe ser permitida a existência, e esta visão evidentemente primitiva, da qual o simples discordar já tem autorizado, nestas terras muito atrasadas, lançar a pecha de "comunista", ao cabo se volta contra o próprio interesse do empresariado. Justamente em razão de não se colocar para este a pergunta: "quem vai comprar o que você vende?"

Like
Lucas Bolzan
Lucas Bolzan
May 02, 2022
Replying to

Perfeito Dr. Ricardo, obrigado pela leitura.

Like

ilhadalsoto
May 02, 2022

Parabéns doutor Lucas , soube retratar bem o mento , tiveste um grande vizao com as palavras ,como sempre justo inteligente e sincero

👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

Like
Lucas Bolzan
Lucas Bolzan
May 02, 2022
Replying to

Obrigado pela leitura!

Like

Frederico Arzolla
Frederico Arzolla
May 01, 2022

Parabéns Lucas pela análise. Caminhamos para a precarização crescente que precisa ser urgentemente revista. A fragilização das relações do trabalho é a fragilização da própria sociedade.

Like
Lucas Bolzan
Lucas Bolzan
May 01, 2022
Replying to

Concordo Frederico,

Temos que "trabalhar" as pessoas para que tenham consciência disso.

Obrigado pela leitura.

Like

Madeleine Hutyra
Madeleine Hutyra
May 01, 2022

Claríssima explicação, Lucas Bolzan!! Só não entenderá quem não quiser. Parabéns!!

Like
Lucas Bolzan
Lucas Bolzan
May 01, 2022
Replying to

OBRIGADO!

Agradeço muito pela acolhida do texto.

Like
bottom of page