top of page

A passagem de Taylor Swift pelo Brasil

Atualizado: 5 de dez. de 2023

Esse fenômeno ciclópico do show business não deixará saudades.


-ROBERTO TARDELLI-





Foto - Rui Vianna

Primeiro, vamos combinar que não tem a centelha de um gênio das artes, uma transgressora, uma mulher que tenha rompido padrões e tenha levado as possibilidades humanas para outras e inéditas liberdades. Não, ela não tem a marca trágica de quem veio para estancar a sangria ou romper de vez as hemorragias dos fossos sociais e econômicos que nos separam. Ela é uma febre mundial. Apenas uma febre uber-capitalista.



Não consigo imaginar qual outro ídolo pop que não se referiria a uma fã que esturricou no sol para vê-la. Não consigo conceber que ídolo é esse que não enviou uma coroa de flores à família daquela que lhe deu a vida. Não consigo imaginar que outro ídolo pop não exibiria a foto da fã gigantesca e a ela dedicasse, se não o show, ao menos um minuto de silêncio.

A passagem de Taylor Swift serviu para mostrar que somos primitivos: a empresa que vendeu ingressos a peso de ouro simplesmente vedou com placas de zinco os vãos das arquibancadas do estádio Nilton Santos, fazendo dali um forno infernal. Mil outras pessoas desmaiaram. E as autoridades permitiram que assim fosse feito. A burocracia dos horrores, a cupidez da morte.

Taylor Swift parece ser uma máquina de mover dólares.

Ao não emitir nenhuma palavra pela fã que morreu para assistir a seu show, TS, a meu pensar, tornou sua tourne brasileira uma demonstração do que o Capitalismo é capaz de fazer, a demonstrar a que ponto pode chegar a frivolidade de alguém que não se emociona sequer diante da morte de uma fã.

Esperamos que, encerrada a visita da patricinha, ela volte para junto dos seus. Que, em seu jatinho particular, ela tenha um chamado de consciência e componha uma canção, em que se arrependa muito de não ter sentido a morte, de não ter sentido a tal ponto de não a mencionar.

Quem sabe ela se lembre de que são inteiramente iguais. Tão inteiramente iguais que são chamadas de “mulheres”, ambas americanas.

E quando se lembrar, consiga envergonhar-se de sua alienação.

Ela nada levou de nós, mas nos deixou uma nossa jovem morta.

Go home!

 

ROBERTO TARDELLI é advogado. Foi promotor de justiça do Estado de São Paulo de 1984 a 2014.



90 visualizações1 comentário

1 Comment


Sebastião Staut
Sebastião Staut
Nov 29, 2023

E a família da jovem morta, com lúgubres camisetas retratando a falecida, compareceu feliz da vida ao camarim da “cantora” para tirar fotos instagramáveis…

Like
bottom of page