top of page

PELA PAZ IMEDIATA EM GAZA!

- Nota Oficial doInstituto Brasileiro de Advocacia Pública -


Militares do Estado de Israel feriram pelo menos 61 mil pessoas em Gaza e mataram mais de 24 mil pessoas, das quais quase dez mil são crianças, numa das agressões mais mortíferas do século XXI.


Em notícia do dia 30 de janeiro, o planeta é informado de que um comando de militares à paisana, disfarçados de médicos e pacientes, matou três palestinos em um hospital de Jenin, no norte da Cisjordânia ocupada. Cúmulo da desfaçatez e imoralidade, o Estado de Israel assumiu a ação, afirmando em um comunicado que os pacientes assassinados eram “terroristas” do Hamas.


Imagens do genocídio de Israel em Gaza continuam a inundar as telas, mas nada parece impedir as contínuas atrocidades.


Como afirmou a advogada de direitos humanos Blinne Ní Ghrálaigh no Tribunal Internacional de Justiça, este é “o primeiro genocídio na história em que as suas vítimas transmitem a sua própria destruição em tempo real, na esperança desesperada e até agora vã de que o mundo possa fazer alguma coisa”.


Os palestinos em Gaza não têm atualmente forma de fugir às bombas que destruíram 70% das suas casas e não têm acesso a água, alimentos, combustível e eletricidade.


A todo instante tomamos conhecimento das mortes de jornalistas, poetas e outros artistas que foram alvo de ataques aéreos.


Lamentamos esta perda de vidas, tal como lamentamos os civis mortos em 7 de outubro de 2023 pelo Hamas e os mortos por soldados e colonos israelitas na Cisjordânia desde então.


Ao lado do compositor e cantor Roger Waters, do cineasta Ken Loach, do jornalista brasileiro Breno Altman e de muitos outros profissionais, unimo-nos a um movimento de solidariedade global para exigir um cessar-fogo imediato na região, o fim do cerco a Gaza e a libertação de todos os reféns e prisioneiros palestinos.


Fazemos eco dos apelos dos palestinos para que abordemos as causas profundas desta violência, pondo fim à ocupação e ao financiamento militar dos EUA a Israel.


Rejeitamos o duplo padrão que presume que apenas os aliados dos EUA têm o direito de se defenderem.


De acordo com noticiário do jornal O Globo de 30/1/2024, “2,2 milhões de palestinos — ou seja, toda a população do enclave — correriam o risco de morrer por desnutrição. De lá para cá, a situação não melhorou: em dezembro, a Human Rights Watch (HRW) acusou o governo israelense de submeter civis à fome como parte da guerra, e na última terça-feira Israel impôs restrições ao fornecimento de alimentos, água e combustível para o território. (...). À CNN, palestinos relataram que as pessoas de Gaza passaram a comer grama e beber água suja para tentar sobreviver. Crianças choram e imploram por comida nas ruas, e o pouco de suprimento que resta no local é vendido por mais que o dobro de seu valor original. Além disso, segundo o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), o enclave abriga 50 mil mulheres grávidas, que agora possuem maior chance de ter abortos espontâneos ou dar à luz prematuramente. Os bebês que sobrevivem no útero podem nascer abaixo do peso e morrer.”


Esperamos que os nossos espaços partilhados promovam segurança para jornalistas, artistas e apoiantes que defendem uma Palestina livre.


De Berlim a Buenos Aires, de São Paulo a Los Angeles, profissionais vêm sendo assediados, ameaçados, boicotados, censurados e despedidos por expressarem a sua oposição a uma campanha militar repetidamente considerada genocida por especialistas em direitos humanos.


Rejeitamos a proibição imposta pelas instituições culturais alemãs aos trabalhadores que apoiaram o direito palestino à autodeterminação, tal como rejeitamos os esforços para criminalizar o discurso pró-palestino que chegaram aos corredores do Congresso dos Estados Unidos e que são reverberados por nossos meios de comunicação de massa submissos e colonizados ao poder hegemônico estadunidense.


Rejeitamos reportagens tendenciosas dos principais meios de comunicação social que desumanizam os palestinos, negligenciam propositadamente o contexto histórico crucial e continuam a difamar as comunidades árabes e muçulmanas.


Rejeitamos a utilização cínica de acusações de antissemitismo como arma, que têm sido empregadas para silenciar e condenar aqueles que apelam ao fim da violência genocida e da realidade do apartheid.


Rejeitamos a imputação da pecha de antissemitismo àqueles que não comungam com a tese do sionismo, dentre eles muitos membros da comunidade judaica.


Apesar desta intimidação, recusamos o silêncio, porque falar é o mínimo que podemos fazer. Nos espaços onde falta solidariedade, devemos criá-la e garanti-la. Não estamos entre aqueles que permanecem em silêncio agora, enquanto ainda há oportunidade de salvar vidas. Devemos fazer mais do que apenas observar; devemos agir com consciência e continuar a insistir que as vidas palestinas sejam iguais a todas as outras.

Como profissionais das áreas das ciências humanas e sociais, sabemos que as nossas palavras têm poder e que o nosso trabalho pode ajudar a acabar com a injustiça. Não seremos cúmplices de ninguém que aja de outra forma.


A Assembleia Geral da ONU aprovou, no dia 12/12/23, com o voto de 153 nações, uma resolução que exigia o imediato cessar-fogo na Faixa de Gaza.A decisão ocorreu após uma semana do primeiro veto dos EUA no Conselho de Segurança ao mesmo apelo, o que desde então se repetiu diversas vezes, sempre com o veto dos EUA, que também tiveram suas propostas vetadas pela China e pela Rússia por relativizarem a indiscriminada violência de Israel. Finalmente, no dia 25/03/24, os EUA se abstiveram e permitiram a aprovação unânime de uma resolução que exige o imediato cessar-fogo até o próximo dia 09/04/24 (final do Ramadã). São 105 dias desde a decisão da Assembleia Geral (12/12/23) até a decisão do Conselho de Segurança (25/03/24). A proposta APROVADA foi apresentada pelas nações com assento temporário no Conselho de Segurança e pretende conduzir “a um cessar-fogo duradouro”, conforme consta no texto do tão esperado ato oficial da instância máxima da ONU.


Que o imediato e definitivo cessar-fogo em Gaza seja o primeiro passo para a democratização da ONU, com o fim do direito de veto e a consagração da Assembleia Geral como instância máxima de legitimidade em uma ordem internacional multipolar, vocacionada para a afirmação de estados laicos e que respeitem a liberdade religiosa de todas as crenças e ideologias comprometidas com a pluralidade democrática e a contenção de manifestações de intolerância e fundamentalismo.


A HUMANIDADE CLAMA PELO URGENTE FIM DO MORTICÍNIO EM GAZA E O INÍCIO DA PLENA, EFETIVA E IRRESTRITA ATUAÇÃO HUMANITÁRIA INTERNACIONAL NESTE VERGONHOSO GENOCÍDIO! UMA URGÊNCIA QUE COBRA, CASO O ESTADO DE ISRAEL SIGA DESPREZANDO OS APELOS INTERNACIONAIS HUMANITÁRIOS, A IMEDIATA COMPOSIÇÃO DE UMA FORÇA TAREFA INTERNACIONAL PARA A GARANTIA DA EFETIVIDADE DESTA TARDIA DECISÃO DO CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU.

 

Instituto Brasileiro de Advocacia Pública, 2 de abril de 2024

861 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo

3 Comments


Elizabeth Harkot de La Taille
Elizabeth Harkot de La Taille
Apr 02

Texto forte como precisa ser.

Parabéns!

Like

Regina Petti
Regina Petti
Apr 02

Parabéns

Like

Madeleine Hutyra
Madeleine Hutyra
Apr 02

Parabéns!!

Like
bottom of page