A MULHER QUE NAVEGOU OS MARES DO MUNDO


-ELIZABETH HARKOT DE LA TAILLE -


Aconteceu graças a uma querida amiga de origem islandesa, nascida no Brasil e mexicana por escolha. Há uns dois anos e pouco, numa rápida passagem por São Paulo, disse-me querer visitar sua “Tia Marta”, num bairro próximo. “Não sabia que você tinha parentes no Brasil.” “É tia de coração”, explicou.


Ingvar Emilsson. Foto IOUSP

Conhecemo-nos num congresso no México em 1999, após minha sessão. Ela se aproximou, engatamos conversas sobre nossas pesquisas e os trabalhos dela em educação indígena, e mantivemos contato. Reencontramo-nos sempre que a vida nos permite, desde então. Sabia que Elin havia nascido em São Paulo e passado aqui sua primeira infância, crescido em Cuba e, depois, ido para o México, país em que fixou residência. Seu pai, Ingvar Emilsson, veio para o Brasil em 1953, a fim de fortalecer a equipe do recém-criado Instituto Oceanográfico da USP, que dirigiu entre 1960 e 1964, quando, contratado pela UNESCO, mudou-se com a família para Cuba.



Era uma tarde quente e ensolarada. Levei-a ao endereço de “Tia Marta”. Ao chegarmos, perguntei a que horas queria que eu a buscasse. “Venha conhecer minha tia, você vai gostar.”


Uma casa grande, estilo europeu nórdico, cercada por um vasto jardim, convertida em Casa de Repouso. Numa roda de idosos, à sombra, uma senhora de traços finos e rosto belo, sentada sobre um pequeno veículo elétrico, segurava um livro, enquanto ouvia o que alguém contava.


-Tia Marta!


A senhora virou a cabeça em direção à voz e arregalou os olhos alertas. “Elin! Menina, assim você me mata do coração! Que surpresa boa! Mas como você aparece sem nem avisar, sem eu me preparar para tamanha emoção?!?”


Conversaram sobre os membros das famílias, onde estava e o que fazia cada um, sobre o passado, sobre estar numa Casa de Repouso: “É muito prático, mas a comida não é lá essas coisas. E sinto falta de minha independência, de meus livros, de conversar sobre coisas interessantes”. Aos 96 anos, Marta me contou sobre seu trabalho como bióloga marinha no Instituto Oceanográfico; sobre quinze anos na Índia e um pouco no México e Japão, contratada pela UNESCO; entre outras histórias únicas. Conhecera por acaso a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Ciências.


Telefonei para meu irmão, oceanógrafo, e lhe falei sobre o encontro. “Marta Vannucci? Essa mulher é referência internacional sobre manguezais, escreveu o livro até hoje mais importante sobre o tema! Que fantástico! Então ela ainda é viva?” “E como! Mais viva que nós!”


Marta com seu filho Érico. Internet

Um mês mais tarde, voltei a visitá-la, em companhia de meu irmão. Ela se recordava de mim. Com seus erres lembrando falantes de francês, explicou-nos ser característica de seu sotaque fiorentino, que escolhera manter. Contou-nos rindo sobre a incorporação do Instituto Paulista de Oceanografia (IPO) pela USP, criando o Instituto Oceanográfico (IO), em 1951: “Eles queriam passar o IPO para a USP, mas sem passar a verba. Eu não os deixei em paz, ia lá todos os dias. Estava grávida e não arredava o pé. Acho que acabaram nos passando a verba para se livrarem de mim, por medo de o bebê nascer lá!”

Voltei outras vezes, em intervalos espaçados. Em duas, repetiu-se o prazer do reencontro, das conversas nada triviais. Ela havia lido um livro meu que lhe dera, e conversamos animadamente sobre... semiótica! Na terceira, ela não morava mais lá, seu filho mais novo havia feito a mudança. Procurei-o duas vezes, almocei em sua padaria, mas não o encontrei. Deixei meu número de telefone, explicando ser amiga de sua amiga de infância, Elin, e que gostaria de continuar visitando Marta. Talvez ele nem tenha recebido meu bilhete.


Marta nasceu em 1921, em Florença, filha de um médico antifascista militante que deixou a Itália pelo Brasil em 1927. Antes de completar nove anos, veio com a mãe e a irmã juntar-se ao pai. Cirurgião-chefe do Hospital Matarazzo, ele faleceu em 1937 de uma infecção contraída em uma cirurgia que realizou. Ouvi dela que se seu pai não tivesse morrido tão cedo, ela teria feito medicina e trabalhado com ele. "Quem realmente formou minha alma de cientista foi meu pai".


Estudou na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências da USP. Defendeu seu doutorado em 1944, sob orientação do zoólogo Ernst Marcus, de quem foi assistente. Foi convidada por Wladimir Besnard a trabalhar no Instituto Paulista de Oceanografia (IPO), o primeiro organismo brasileiro dedicado à oceanografia, criado em 1946. Pertencente à Divisão de Proteção e Produção de Peixes e Animais Silvestres do Departamento de Produção Animal, incomodava Marta que, apesar do nome, o IPO focasse exclusivamente a pesca, deixando de lado pesquisas em Oceanografia geral dedicada aos oceanos e mares. Em 1951, contribuiu para a criação do IO, cuja vocação é gerar esse tipo de conhecimento. Sua área sendo a oceanografia biológica, buscou reforço para a oceanografia física, concretizado no convite a Ingvar Emilsson, que chegou em 1953. Em sua gestão como diretora, comprou o navio de pesquisas batizado “Professor Besnard”.


Dirigiu o IO até 1969, quando se retirou por pressão da ditadura e aceitou convite da UNESCO para ir para a Índia, depois para o México, Japão e de novo para a Índia, onde permaneceu mesmo após sua aposentadoria (1989), voltando repetidas vezes ao Brasil. "Minha residência permanente é o Brasil, mas minha residência de fato são uns 20 lugares diferentes", relata ao IO. Suas biografias raramente contam que Marta perdeu seu filho mais velho Érico, em 1986, por sequelas de prisão política e tortura nos anos de chumbo.


Além de seus clássicos “Manguezais e nós: uma síntese de percepções” (EDUSP, 2002) e Mangrove Management and Conservation: presente and future (United Nations University Press, 2004) e de uma centena de artigos sobre oceanografia biológica, escreveu também Ecological Readings in the Veda: Matter-Energy-Life (1994), Human Ecology in the Vedas (Reconstructing Indian History and Culture) (1998), The Vedic God Mitra (2011), Ancient Movements of the Indo-Aryans and Indo-Iranians (2011), marcando com clareza seu posicionamento de defesa da conservação do meio-ambiente.

Marta Vannucci, “a mulher que navegou os mares do mundo”, inspira cientistas e leigos no Brasil e em toda parte. Onde estará? Entrou um dia por acaso em minha vida e dela passou a fazer parte.

ELIZABETH HARKOT DE LA TAILLE - É Doutora em Semiótica e Lingüística Geral pela USP e Professora Associada Livre Docente da Universidade de São Paulo nas áreas da Língua Inglesa e Linguística.


203 visualizações1 comentário

Revista PUB - Diálogos Interdisciplinares

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W