top of page

A DESCARACTERIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E O DESCASO COM REAL FORTE DO PRÍNCIPE DA BEIRA

Atualizado: 5 de dez. de 2023

-MARIALICE ANTÃO DE OLIVEIRA DIAS-



O Real Forte do Príncipe da Beira é um monumento impressionante que foi construído há 244 anos no meio da floresta amazônica, construção iniciada em 20 de abril de 1775, no Governo de Luis de Albuquerque Melo Pereira e Cáceres, o quarto governador da Capitania do Mato Grosso entre os anos de 1772 a 1789, o qual recebeu a autorização, para sua construção, do Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho, primeiro ministro da Corte de Dom José I, Rei de Portugal. É monumento histórico do Brasil que resiste às intempéries impostas pela força do tempo, sendo reconhecida como a maior edificação militar portuguesa construída fora da Europa, à fortaleza teve o seu processo de construção iniciado quando a base do forte recebeu a sua primeira pedra fundamental.


O mais importante monumento histórico de Rondônia, o Real Forte do Príncipe da Beira, permaneceu e permanece em estado de abandono, coberto pela vegetação. Redescoberto o Forte Príncipe da Beira pelo Marechal Rondon em 1914, em 1940 ele mesmo construiu as primeiras instalações do quartel militar. A população atual que mora no local desde a época da construção, foi reconhecida como comunidade quilombola no dia 19 de agosto de 2005. O INCRA reconheceu o território da comunidade quilombola Santa Fé na cidade de Costa Marques (RO), que faz fronteira com a Bolívia. Ao todo, 41 famílias foram beneficiadas com a medida que regularizou a área de 1.452 hectares. Os moradores de forma voluntária estão tentando restaurar uma pequena parte da Fortaleza para que os visitantes possam entrar no recinto, porém o mato está tomando parte do resto do local. Eles reivindicam a contratação da população local como zeladores e guias turísticos para preservar a fortaleza que seus antepassados construíram.


Evolui o homem ao estabelecer a intervenção do Estado na propriedade como forma de preservação da cultura do seu povo, dando-nos esperanças de que uma sociedade capitalista e extremamente materialista, ao relegar ao ente público a faculdade de preservar a sua identidade, está buscando resgatar o orgulho pela sua origem, pela sua cultura, pelo seu povo, enfim, pela sua história. Estará o Estado cumprindo com o seu papel de forma satisfatória? Ou estamos diante de um Poder Público desinteressado pelo bem estar daqueles que vivem e dependem de espaços dignos para a qualidade de vida e exercício pleno da cidadania?


Sob essa triste expectativa nunca devemos esquecer que afirmava Philippe Destouches: “Expulsai o natural e ele voltará a galope.” e só então lamentaremos o irreversível. O controle do cidadão da sociedade civil sobre o aparato estatal torna-se cada vez menos atuante e capaz de imprimir uma nova dinâmica à própria democracia representativa. Precisamos construir uma gestão democrática e participativa e afastar definitivamente a concepção autoritária do Poder Público tendo em vista que o meio ambiente é de todos, constituindo-se, portanto, num bem de natureza essencialmente difuso. Ao assumirmos um comportamento ecologicamente correto, com o Estado cumprindo o seu papel na construção de políticas públicas ambientais, com a participação da sociedade estaremos preservando o meio ambiente para as presentes e futuras gerações deixando para os nossos descendentes um legado de qualidade vida num planeta economicamente sustentável, onde o Estado cumpriu o seu papel de realizador dos objetivos do Princípio do Desenvolvimento Sustentável. E, finalmente, aos proprietários e gestores desses bens históricos – privados e públicos, rurais e urbanos – que, direta ou indiretamente, lutam para garantir, com seu cuidado e dedicação, a conservação e a manutenção desse patrimônio para as gerações futuras, caso contrário, estaremos rasgando a fotografia dos nossos antepassados. Para isso, é necessário tirar de cena os atores da tragicomédia ecológica exibida no palco da inconsequência, da incompetência e do irracionalismo.


 

Marialice Antão de Oliveira Dias escreve todo dia 5 de cada mês na Revista PUB - Diálogos Interdisciplinares. É Ativista pelas causas indigenistas e Patrimônio Cultural. Membro da APRODAD e do IBAP.



258 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Elizabeth Harkot De LaTaille
Elizabeth Harkot De LaTaille
Jul 05, 2019

Não conhecia esse forte. Parabéns pelo trabalho de divulgação das necessidades na base de sua preservação.

Like
bottom of page