AS PEDRAS NO CAMINHO

-FREDERICO ARZOLLA-


Nós sofremos diante dos acontecimentos. Não estamos preparados quando acontecem. Não acordamos de manhã sabendo que irão acontecer.


Ilustração - Ibraim Rocha

Podem ser pedras jogadas no caminho para o crescimento. Podem ser desafios, obstáculos naturais da vida a serem superados, mas também situações provocadas para interromper um fluxo ou um processo. Há também a questão de ajustes que podem acontecer. A vingança é algo que atormenta os espíritos, cega-lhes e desvia da evolução espiritual. Por sua vez, as pedras nos prejudicam quando acontecem, causam-nos problemas, mas sempre saímos mais fortalecidos dos processos.


É preciso estar presente. Lembre disso sempre. Estar presente sempre, seja onde for. E participar das coisas, não ter medo, nem refutá-las. Enfrente seus medos, pois ao contrário do que parece, mostram aquilo que precisamos superar nesta vida, e não aquilo que devemos nos esquivar. Enfrente-os e se libertará. Evite-os e morrerá com eles, desperdiçando as oportunidades desta vida. Abra-se mais ao inusitado, não fique preso às experiências passadas e às próprias convicções.

O ser humano é uma divindade quando deixa esta se manifestar. Pode também ser somente um animal quando vive somente seus instintos. E enquanto divindade tem acesso às forças do universo que podem nele operar. Tem o poder de congregar multidões e revolucionar situações, assim como pode ficar restrito ao seu pequeno mundo e nele ver o tempo passar.


Quando olho o mundo afora vejo possibilidades. É captar uma idéia e ir em frente, desenvolvendo-a. É um princípio. Na materialidade encontrará seus ajustes para se viabilizar e tomará robustez.


Falo isso pois há muitas ideias por aí, circulando, mas precisam tomar corpo para se viabilizar. O que tenho a dizer é ouse e arrisque. Liberte-se das pequenas prisões em que se encontra. As vezes nos aprisionamos pois é mais confortável assim, viver sem novidades, sem exposições. Mas é fugir da vida, evitando-a. Aceite os desafios e vá em frente, que o mais se sucederá.


Deixar problemas e não resolvê-los é irresponsabilidade. Vejam quais são seus maiores papéis e sigam com eles. Eles serão as prioridades. As vezes ficamos tentados a fazer somente o que gostamos, mas será esse o caminho? É como viver somente para o prazer. Nesta vida temos papéis e assim devemos segui-la.


Há seres estruturantes que precisam dar forma ao mundo, implementando conceitos de justiça, participação e representação. Outros vem para usufruir e seguir aquilo que já está pronto.


Estejam presentes, tragam consciência e luz sobre os assuntos. E assim, desta forma, poderão deixar a luz fluir e obrar por seu intermédio. Em seus atos, em suas vidas, em suas decisões, estejam abertos a isso.


Nós não viemos ao mundo com um manual de instrução, mas durante a vida, muito é revelado, a medida do amadurecimento e dos passos, para que cada fase seja vivenciada da forma como precisa ser, não antecipando nem postergando. Imaginem a carga, se tivéssemos acesso a outras vidas, como seria isso? O fardo vai sendo carregado a medida que o ser se estrutura para recebê-lo ou mediante choques que promovem uma mudança de direção. Esteja aberto, mas esteja vivo, consciente e presente em tudo que faz.

 

Frederico Arzolla é Engenheiro Agrônomo, Doutor em Biologia Vegetal, Pesquisador em Conservação da Natureza e Florística e Fitossociologia de Árvores da Mata Atlântica.



239 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo