Revista PUB - Diálogos Interdisciplinares

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W

CONJECTURAS

- Ana Cláudia Leite Dantas Ferreira -

Estamos caindo de saber que a trindade “Liberdade, Igualdade e Fraternidade” nunca vai perder seu teor extremamente utópico frente à realidade dos governos modernos, mas me encanta a possibilidade de se refletir sobre tais conceitos, geração após geração, desde a mais tenra idade, incentivados por cartilhas e livros de história da França. Creio que isso sirva mais ou menos como manter uma carranca na porta de casa: é bom para espantar mau-olhado.

Nós, brasileiros, temos mais facilidade para agir como americanos do norte, cujo lema tem mais a ver com morte. Após o golpe de Estado de 2016, José Serra foi escolhido a dedo pelos investidores do petróleo, para, pela segunda vez, fatiar o inédito pré-sal — descoberto por brasileiros, em território brasileiro e com know-how totalmente brasileiro. A intensão era leiloar — como já havia sido leiloado no governo de Fernando Henrique e desfeito no governo Lula —, do modo mais baratinho possível, todo o nosso petróleo entre a ExxonMobil, a Chevron, a British Petroleum, a Royal Dutch Shell, a Total S.A. e outras afins ricas e felizes como essas. Lembro que, quando se definiu as partes do tesouro para cada qual, uns franceses apareceram em teles-jornais, muito alegres, dizendo que nunca compraram lotes de petróleo tão barato. Depois dessa façanha, eu só vi o Serra novamente quando, no plenário, jogou ao chão e pisoteou em abaixo-assinados vindos da população brasileira, como apelo para que se findassem tais barbaridades.

"nosso povo estaria em melhor situação se prestasse mais atenção à França do que aos EUA"

Creio que o nosso povo estaria em melhor situação se prestasse mais atenção à França do que aos EUA, o lema que ecoa ao público, naquele país da Europa, bem poderia atravessar o Atlântico e desembocar neste meu país. Nosso Brasil está doente e o povo assiste ao descalabro calado sem reação ou protesto. Ao passo que, em Paris, neste sábado, 16 de março, a manifestação dos Gilets Jaunes (Coletes Amarelos) reuniu cerca de oito mil manifestantes, muitos deles, “extremamente violentos”, como disse Christophe Castaner, o ministro do interior.

Os coletes amarelos formam um grupo apartidário e espontâneo que compreende manifestantes de esquerda como de direita e até dos extremos, que vem crescendo dos subúrbios aos centros urbanos da França e sendo exportado para outros países do entorno. O grupo reuniu mais de oito mil pessoas na Champs Elysée. Eles são bravos, segundo Castaner, o ministro, muitos deles “não são manifestantes ou agitadores, são assassinos”. Mas eles não lutam por um ou outro tema e sim pelo que consideram errado, aquilo que afeta de fato o custo e a qualidade de vida. Quando se constatou que em um ano a variação no preço da gasolina foi de 23%, e que a incidência de impostos variava de 56% a 60% dos preços do produto na bomba, a insatisfação foi geral e os coletes amarelos ameaçaram, levando o governo francês a se empenhar mais por melhores recursos.


Bom, dizem que franceses são meio brutos por natureza, a exemplo disso temos Obelix, que carregava vários javalis de uma tacada só. Então, eles não são bonzinhos... Mas é para sermos bonzinhos com aqueles que nos exploram? Bem que eu gostaria de vê-los contra o nosso governo, adoraria mais ainda se o duelo de gigantes se desse com nossos brasileiros da gema, eu estaria lá, no meio, nem que fosse para dar guarda-chuvada. Pronto, falei.

Ana Cláudia Leite Dantas Ferreira é poeta, professora, desenhista e escritora. Aprendeu com os passarinhos a amar o cheiro do orvalho na grama de manhãzinha e, com os gatos, as delícias da brincadeira despreocupada. Fã incondicional de Quintana, passarinha pela vida, porque não está aqui de passagem.



110 visualizações